16 julho 2010

Fábula da Internet. Até que ponto a Internet serve para a "pesquisa".

Vou contar uma pequena história que aconteceu comigo há algum tempo que talvez leve a alguma reflexão.

Tenho uma filha que tem nove anos e quando ela estava na segunda série do primeiro grau e já tinha alguma habilidade com a internet e possuia um velho computador em seu quarto (antigo, mas que lhe era suficiente).

Eu estava trabalhando quando ela me telefonou para saber se poderia ir ver televisão, como é nosso acerto, ela deve terminar todos os temas do colégio antes de começar a ver seus desenhos prediletos. Devido a isto a perguntei se ela tinha terminado os deveres, neste momento ela respondeu:

“- Todos, só um que não, preciso fazer uma pesquisa!”

Neste momento eu a perguntei.

“- Que tipo de pesquisa?”

“- Uma sobre adágios gaúchos.”

Sabendo que ela já tinha instalado o Google, lhe disse:

“- Abra a internet e escreva no Google – adágios gaúchos.”

Encerando por aí a conversa, uma hora mais tarde recebi outro telefonema.

“- Pai, achei alguns ditados, só que alguns não entendi!”

“- Quais, filha?”

Neste momento ela começou a ler os que tinha copiado no seu caderno, tais como:
“ – Gaúcho macho não come mel, mastiga abelha. Pau que nasce torto, morre torto”.
Eu a disse:

“ – Excelente, filha”.

Aí veio o terceiro.

“ – Vaca de rodeio, não tem touro certo.” (O certo seria “Vaca de campo....”).
Neste momento, parei, refleti um pouco e lhe disse.

“ – Filha, entendeste este último?”

“ – Não pai!”

“ – Filha, se não entendeste, não o ponha no teu trabalho, porque este ditado não é lá muito bom.”

Ela leu mais alguns. Alguns ela entendia, e outros que não! (logicamente por ultrapassarem sua “capacidade” e por falta do mínimo decoro).

No fim da tarde, quando cheguei a casa, tivemos uma pequena conversa, que resumida foi a seguinte:

“– Filha aprendeste duas coisas hoje, a primeira como pesquisar na internet e a segunda, e mais importante, que tudo que se acha na internet não é para ser levado a sério.”

Ela concordou comigo e termina assim uma pequena fábula doméstica (mas verdadeira) que talvez sintetize o que é a internet e qual o limite no aprendizado.

Pequenas recomendações sobre a educação nas redes sociais.

No século passado, antes da existência das chamadas redes sociais, as pessoas eram muito mais sociabilizadas do que atualmente, a impess...